Om

Que possamos manter Sagrado o Yoga
Que possamos desenvolver nossos espíritos
Que muitos conheçam e pratiquem o Yoga
Que possamos mudar o mundo
Através de boas ações
De um grandioso coração
E da Alma Divina que habita em tudo!

Espero que o conteúdo deste espaço possa lhe inspirar.

Namaskar!

Textos Publicados

Textos Publicados

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Kill the Buddha

No oriente, a relação mestre/discípulo é algo sagrado. Talvez mais importante do que qualquer outra relação neste mundo. Ao encontrar um mestre verdadeiro, o discípulo entrega sua vida a ele e o mestre da mesma forma se esforça ao máximo em ajudar no crescimento do discípulo.

Nesta relação existe um forte respeito pelo mestre. Se o mestre chega e lhe dá um tapa na cara, você não revida. Você recebe o tapa e procura entender o porquê daquilo.

Nada! Nada que o mestre faz é sem significado! Se ele é realmente um mestre, tudo tem um porquê.

Qual a importância desta dinâmica?

No caminho do yoga, ao praticar, muitas impurezas vem à superfície. Raiva, irritabilidade, paixões mascaradas, sede de poder, vaidade..e por aí vai. Neste processo tem o momento que o mestre vai ser o alvo de todas as nossas misérias no caminho. Existe uma forte tendência de quando estamos no meio deste processo de purificação, que às vezes é bem intenso, descarregar tudo na figura dele. Ele que te inspira e te iniciou no caminho, que quer o seu bem e seu desenvolvimento, passa a ser o grande vilão e responsável por tudo.

Por isso, na tradição milenar do Yoga na Índia e também na China e Japão, o discípulo não “descasca” em cima do mestre!

O mestre, com certeza, procura sempre dar suporte e apoio, mas também não fica carregando o discípulo como um bebê de colo. Neste processo de purificação o mestre sabe que certas coisas só o discípulo pode resolver. Certas questões o mestre não pode resolver e só cabe a ele deixar seu aluno sozinho!

Ali, nesta solidão, o aluno constrói as suas bases. E vê que toda aquela tempestade era algo passageiro e que o mestre sabia disso. O mestre ajuda o aluno até, a desconstruir o próprio apego à imagem do mestre.

No Zen se fala: “Se você achar o Buddha, mate o Buddha!”

Infelizmente, observo que os alunos, falando aqui como professor e não mestre, na primeira dificuldade, na primeira contrariedade, já corrompem essa relação. E na maioria das vezes, de uma forma, que não tem mais volta. Muito triste.

Triste porque quem perde é quem vai..

Como temos que aprender com o Oriente..

Muito.

Namaskar!

Mahavir

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Atma

Atma

Esta semana tive que parar um pouquinho para me recompor..

Numa de minhas aulas fui substituído pela nossa querida Atmajyoti. Essa moça que fez ano passado o TTC (Teacher Training Course) no Ashram Sivananda na França, foi a minha primeira aluna que se prontificou a seguir meu sistema de dar aulas. Ela ainda está em treinamento no nosso método, porém seu empenho e dedicação já demonstram grandes chances de sucesso!

Aqui está uma mensagem da Gunatiita escrita após fazer a aula da Atma ontem:

“Hoje as 5:00 da tarde, a luz e a força da Samgha continuavam brilhando, mesmo sem a presença física do nosso mestre querido.

Obrigada Atma! Você consegue transmitir o mais valioso e importante de nossa Samgha, a sua essência!

Namaskar!”

Dominar a técnica pela repetição incansável, para assim assimilar e emanar e essência do Yoga.

Namaskar!

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Mimados

Sábado, 12 de fevereiro de 2011.

Mimados

Uma das formas que o Senhor castiga uma alma é mimando-a. Ser mimado por alguém ou pela vida não é sinal de bom karma. O mimo mata o espírito. As facilidades corrompem e envenenam corpo, mente e espírito. Ao ser mimado o Ego é fortalecido até ficar duro que nem pedra! E quem é sábio já concluiu categoricamente que todo o sofrimento vem daí. E uma pessoa assim é insuportável! As pessoas não conseguem conviver com ela nem ela com as pessoas.

A psicologia ocidental que me desculpe, mas tem horas que penso: “Nesse caso o melhor seria o método dos mestres indianos: Vara de bambu!” Sem muito blá blá blá e direto ao ponto. Resolve!!! Funciona!!!

Por isso, que acho tão eficiente, em alguns casos a prática marcial. A foto que coloquei acima é de uma luta de Kendo. Depois que você leva uma porrada com uma espada daquela na cabeça você fica humilde na hora... pianinho...

Outra reflexão sobre arte marcial é sobre a canalização da raiva. Existem casos, que existe tanta raiva armazenada na mente e no corpo do aluno que só yoga não vai ser suficiente. É preciso primeiro descarregar aquela raiva. Pra isso uns berros de karate ajudam muito. Uns chutes e socos no saco de bater ajudam muito! Usamos em sala a técnica yogue do SOPRO HÁ que teria o efeito semelhante.

Depois é necessário investigar a origem daquela raiva. Pra isso um pouquinho de terapia pode ser muito bom.

Recebendo uma cacetada do seu mestre, ou de um adversário, na verdade, cedo ou tarde, a vida aplica a sua vara de bambu. Ela começa com a vara de bambu. Depois vem de madeira.. Depois de metal.. por último..por isso, não façamos muita besteira nessa existência..vem a espada samurai..Ali as cabeças rolam e não tem mais volta!

É o Senhor Shiva com sua consorte Kali transformando e purificando tudo com sangue e fogo!

Por que os mestres usam isso? Por que os mestres usam a vara de bambu? É melhor tomar a vara do seu mestre do que sofrer muito, por muito tempo na vida.Por isso...educar é amar.

"Sofrer no treinamento para não sofrer na batalha!"

Ofereço este texto, com todo o meu coração, aos meus mestres samurais: Sensei Jorge Kishikawa e meu professor Senpai Wenzel Böhm. A minha experiência inesquecível no Instituto Niten. Muito obrigado!

Namaskar!

Dualidade

Domingo, 30 de janeiro de 2011.

Dualidade

Yoga é a busca pela unidade. Este Universo é dual. Sem a dualidade não é possível a Criação. Então a Entidade Suprema para se manifestar precisa da dualidade.

No processo evolutivo, quando retornamos ao princípio, voltamos para Deus, as dualidades se desfazem. Baba Nam Kevalam! Só Ele existe!

No caminho, principalmente na prática meditativa, observamos que todo o sofrimento vem da dualidade. A unidade trás a Paz..na unidade tudo é perfeito! Até a imperfeição!

Quando nos aprofundamos no Yoga, na prática meditativa, ou nos ásanas, buscamos esta unidade. Quando estamos inteiros na prática, no corpo, na respiração, no ásana, estamos em yoga e desfrutamos de algo muito, muito especial.

Porém a prática não é só isso. A prática é justamente o oposto! A dispersão, a agitação, a inquietação, a escuridão, a derrota.

Se você encontrar um ser iluminado, andando nas nuvens e brilhando como um Sol, pode ter certeza, aquele estado só foi alcançado depois de ter encarado a sua própria sombra, encarado os próprios demônios e, muitas e muitas e muitas vezes, se deparado com a derrota, a queda e a dor.

Na busca por iluminação temos que abraçar o nosso lado obscuro. Abraçar totalmente as nossas dualidades. Abraçar totalmente nossas inquietações!

Eu sou isso! Neste momento eu sou isso! Feliz estou assim, e me aceito plenamente desta forma!

Enquanto não houver o acolher de você plenamente, enquanto houver uma parte de você com que você ainda luta contra, irá existir dualidade, e está dualidade só irá gerar mais e mais sofrimento, mais e mais inquietação.

A primeira etapa para se libertar de algo em você, é estabelecer a plena aceitação daquilo como parte sua, como algo que tem uma função de existir, como algo que, como tudo que existe neste Universo, um dia vai se dissolver no Todo...

Paz..Paz..Paz..

Namaskar!

Mahavir

Lokah Samastha Sukhino Bhavantu

Lokah Samastha Sukhino Bhavantu
Que todos os seres em todos os lugares sejam felizes

O que é Yoga?

Yoga é uma prática milenar que envolve inúmeras disciplinas,
dentre elas a prática dos ásanas, as posturas de yoga. Os ásanas fazem parte do
Hatha Yoga que é a forma do yoga mais conhecida no Ocidente. Além do Hatha Yoga
encontramos outras práticas como a meditação, o kirtan (canto de mantras), o estudo da filosofia e dos textos sagrados,
as práticas de purificação, a conduta yogue...

A meditação é a alma do yoga. Tudo que existe no yoga é para
aperfeiçoar a prática meditativa. É através da meditação que os yogues realizam
o significado mais profundo do termo Yoga:

“Samyoga Yoga Itiyukto Jivatma Paramatmanah”

Yoga é o estado de união da alma unitária com a Alma
Suprema, com Deus.

Yoga Samgha

Samgha significa associação. Quando yogues se reúnem para praticar juntos temos uma Samgha. Hoje, mais do que nunca precisamos de uma Samgha para praticar. A força que é gerada por esta associação faz com que nossas práticas se tornem cada vez mais fortes e profundas. Umas das orientações de grandes mestres do yoga é a importância de satsamgha, boa companhia. A boa companhia torna nosso caminho mais fácil.

Orientações para a Prática do Yoga

• Traga sempre uma pequena toalha para a prática.
• Procure praticar com roupas mais justas. O ideal é praticar com o joelho de fora e camiseta sem manga.
• Respeite o espaço físico e psíquico do yogue ao seu lado.
• Praticar de barriga vazia
• Não beber água durante a prática.
• Evite tomar banho, beber ou comer logo após praticar. Deixe um intervalo de 20 a 30 minutos.
• Atenção durante a prática, siga as orientações do professor.
• Se surgir cansaço pare. Não seja agressivo com seu corpo.
• Durante o período menstrual pratique de forma mais suave. Nestes dias não deve se praticar os ásanas de inversão (Sarvangásana, shirshásana...) .
• Evite sair mais cedo. Caso seja necessário sair anteS do início do relaxamento do grupo. Ao sair avisar o professor.
• Estar sempre vazio.Tenha sempre uma postura humilde junto ao seu professor. Nunca traga à mente a idéia que já tem plena compreensão do que está sendo ensinado. Até mesmo informações que já foram ouvidas inúmeras vezes.
• Qualquer sinal de desconforto durante a prática informe ao seu professor.

Seguidores